21.8 C
Goiânia
InícioDestaqueProdutores rurais do nordeste goiano recebem títulos definitivos da terra

Produtores rurais do nordeste goiano recebem títulos definitivos da terra

Os títulos são referentes a 10 mil hectares de terras devolutas, que pertenciam ao Estado, em Alto Paraíso, Cavalcante, Colinas do Sul, Nova Roma, São João D’Aliança e Teresina de Goiás.

Agricultores familiares de seis municípios do nordeste goiano receberam os títulos definitivos de domínio de terras. O documento foi entregue pelo governador Ronaldo Caiado na última sexta-feira (25/08). O título atesta a propriedade das áreas, além de possibilitar o acesso a políticas públicas de estímulo ao setor e financiamentos. Também foram entregues 42 contratos de crédito rural para agricultores familiares. A ação é da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

Durante o evento, que contou com a presença dos beneficiários, Caiado defendeu que a regularização é uma ferramenta para emancipar pequenos agricultores da região.

“O Nordeste goiano tem 2 milhões de hectares a serem abertos para desenvolver a agropecuária goiana. Mas como o cidadão vai ter acesso a crédito sem a propriedade da terra? É como se não tivesse identidade”, afirmou.

O governador reforçou ainda que as cidades são consideradas prioritárias para investimentos em diversas áreas, como saúde, educação e infraestrutura, além do campo.

“Temos várias pequenas fábricas de beneficiamento de mandioca e agora temos 10 famílias de agricultores já atendidas pelo projeto de fruticultura do Vão do Paranã”, disse.

Os títulos são referentes a 10 mil hectares de terras devolutas, ou seja, que pertenciam ao Estado, em Alto Paraíso, Cavalcante, Colinas do Sul, Nova Roma, São João D’Aliança e Teresina de Goiás.

De acordo com a Seapa, desde 2019 o programa Regulariza Campo entregou 256 títulos de propriedade no estado, totalizando 65,7 mil hectares regularizados. Os números superam a marca registrada nos 12 anos anteriores. Para o secretário Pedro Leonardo Rezende, o impacto será positivo na economia.

“Isso porque o estado tem a sua base econômica fundamentada no agronegócio. Ano passado, produzimos cerca de 30 milhões de toneladas de grãos, mas temos potencial para dobrar essa capacidade”, pontuou.

Saiba mais

Já os 42 contratos de crédito fundiário atendem a produtores de três municípios, sendo 19 beneficiários de Cachoeira Alta, 19 de Guarinos e quatro de Itapirapuã. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF), que oferece financiamento para compra de imóvel ou equipamento rural. A Seapa, recriada na gestão Caiado, também é a responsável pela operacionalização do PNCF junto aos trabalhadores.

Nossas Redes Sociais
11,345FãsCurtir
23,198SeguidoresSeguir
Últimas
Postagens Relacionadas