17.8 C
Goiânia
InícioDestaqueO Ministro do STF, Edson Fachin, se posiciona a favor da “...

O Ministro do STF, Edson Fachin, se posiciona a favor da “ taxa do agro” em Goiás

Julgamento no Supremo teve início nesta sexta-feira e terminará no dia 24; ministro alegou jurisprudência nos casos de cobrança de outros Estados

Em voto contrário ao  do ministro-relator Dias Toffoli, o ministro Edson Fachin se posicionou  contra a liminar que suspendeu a cobrança da contribuição sobre produtos agropecuários, chamada de taxa do agro em Goiás, em ação no Supremo Tribunal Federal (STF). O julgamento virtual teve início nesta sexta-feira (14) e tem previsão de terminar no dia 24.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) foi ajuizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Toffoli acatou pedido de liminar com a suspensão da cobrança, mas submeteu ao plenário a decisão final para a manutenção da cautelar.

Fachin citou decisões anteriores do próprio Supremo, em favor das cobranças semelhantes nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul
Fachin citou decisões anteriores do próprio Supremo, em favor das cobranças semelhantes nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul

Fachin citou decisões anteriores do próprio Supremo, em favor das cobranças semelhantes nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, e indicou não ser razoável a decisão de suspensão em liminar. A jurisprudência foi utilizada pelo governo goiano  como um dos argumentos para pedir a queda  da liminar concedida por Toffoli. No Mato Grosso, a contribuição existe há 23 anos e foi usada como modelo para a elaboração das leis goianas.

Fachin também cita que “vigoram vários outros fundos estaduais (pelo menos dez) aportados por ‘contribuições voluntárias'”, alguns dos quais também em análise pelo Supremo.

 “Em tempos nos quais cada vez mais necessária a manutenção de uma jurisprudência estável, coerente e íntegra, soa razoável não referendar liminar em ADI que vai de encontro a entendimento anteriormente firmado em situação análoga por meio de decisão colegiada”, alega.

O ministro também argumentou que a matéria afeta equilíbrio fiscal federativo e que o risco da demora recai sobre o Estado de Goiás, que deixará de contar com a arrecadação prevista com a contribuição.

A Advocacia Geral da União (AGU) e a Procuradoria Geral da República (PGR) apresentaram pareceres diferentes sobre a ADI da taxa em Goiás: a primeira foi favorável à cobrança e a segunda, contra.

Fabiane Fagundes
Fabiane Fagundes
Jornalista especialista em agronegócio com formação em marketing digital e psicóloga em formação.
Nossas Redes Sociais
11,345FãsCurtir
23,198SeguidoresSeguir
Últimas
Postagens Relacionadas