17.8 C
Goiânia
InícioNotíciasAgronegócioEstudo usa dados espaciais para classificar risco de desmatamento no Cerrado

Estudo usa dados espaciais para classificar risco de desmatamento no Cerrado

Os dados permitem ao poder público tomar medidas para evitar que o desmatamento ocorra

Uma pesquisa realizada pela Embrapa, no âmbito do projeto Rural Sustentável – Cerrado, mapeou o risco de desmatamento e mensurou o desmatamento evitado no bioma Cerrado em 101 municípios de quatro estados. A informação é uma importante ferramenta para auxiliar os governos federal, estaduais e municipais na adoção de medidas protetivas e preventivas.

O trabalho foi realizado em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais e utilizou a metodologia ACEU para levantar o risco de desmatamento em cada região. Este método leva em conta a acessibilidade do local (acessibility – A), a aptidão da terra para uso agropecuário (cultivability – C), a existência de recursos naturais (extractability – E) e também se há algum regime de proteção (Protection status – U). 

De acordo com a pesquisa, dos 8,4 milhões de hectares de Cerrado avaliados em 25 municípios de Mato Grosso, 17% possuem risco muito alto de desmatamento, 19% possuem risco alto, 19% risco médio, 15% baixo e 30% muito baixo. 

Em Mato Grosso do Sul, a área avaliada é de 3,4 milhões de hectares, nos quais os riscos de desmatamento encontrados foram 14% muito alto, 16% alto, 40% médio, 14% baixo e 16% muito baixo.

Em Minas Gerais o projeto avaliou 2,6 milhões de hectares de Cerrado, sendo que 8% apresentam risco muito alto de desmatamento, 25% alto, 27% médio, 20% baixo e 20% muito baixo.

Já em Goiás, foram mapeados 2,4 milhões de hectares de Cerrado, com 5% apresentando risco muito alto de desmatamento, 18% risco alto, 27% risco médio, 20% baixo e 20% muito baixo. 

A pesquisadora Laurimar Vendrusculo, chefe-geral da Embrapa Agrossilvipastoril (MT), coordenou o trabalho. De acordo com ela, ao indicar onde o risco é maior, os dados permitem ao poder público tomar medidas para evitar que o desmatamento ocorra.

“As informações espacializadas dos níveis de risco de desmatamento evitado permitem subsidiar planos operacionais que identifiquem áreas com maior pressão para o desmatamento. Com isso, políticas que privilegiam geograficamente incentivos à adoção de tecnologias conservacionistas podem ser melhor empregadas tanto financeira como tecnicamente. Por exemplo, áreas mais suscetíveis poderiam ter mais subsídios econômicos para implantação de florestas plantadas ou restauração florestal”, explica Vendrusculo.

Desmatamento esperado e desmatamento evitado

De acordo com a metodologia utilizada na pesquisa, conforme a pontuação final no método ACEU, a área é classificada com risco muito baixo, baixo, médio, alto e muito alto de desmatamento. Para cada um desses riscos, há um percentual de perda de vegetação esperada em um período de 20 anos. É com base nessas informações que se calcula o desmatamento esperado para cada município avaliado. 

Em áreas com risco muito baixo, a expectativa é de perda de 10% da vegetação em 20 anos, enquanto o percentual sobe para 30% nas áreas de risco baixo, 50% com risco médio e 70% e 90%, respectivamente, para os riscos alto e muito alto.

Utilizando esses percentuais, os pesquisadores calcularam o desmatamento esperado para cada um dos 101 municípios avaliados. Esse número foi confrontado com o desmatamento real mensurado pelo MapBiomas Brasil no ano de 2019, possibilitando assim chegar a uma área de desmatamento evitado ou superado por município ou estado.

Os resultados mostraram que, em 2019, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul tiveram menor desmatamento no Cerrado do que o esperado. Foram 65,9 mil hectares a menos em MT e 14,8 mil a menos em MS. Já Goiás e Minas Gerais desmataram, respectivamente, 4 mil hectares e 39,7 mil hectares a mais de Cerrado do que o esperado.

Os dados da pesquisa permitem verificar o retrato de cada município. Em Mato Grosso, por exemplo, Lucas do Rio Verde conta com 117 mil hectares de cobertura de Cerrado, dos quais 76,5% estão em risco alto ou muito alto de desmatamento. Porém, em 2019, o desmatamento estimado representou 55% da perda esperada, ou seja, houve um desmatamento evitado de 1.911 hectares.

Janaina Honorato
Janaina Honorato
Jornalista especialista em agronegócio com formação em marketing digital. Experiência de 9 anos com comunicação para o agronegócio em reportagens de TV, rádio, impresso e internet.
Nossas Redes Sociais
11,345FãsCurtir
23,198SeguidoresSeguir
Últimas
Postagens Relacionadas