21.8 C
Goiânia
InícioSem categoriaCom reajuste da Petrobras, preço médio do diesel aumenta 1,46%

Com reajuste da Petrobras, preço médio do diesel aumenta 1,46%

Combustível é muito utilizado na produção rural, o que impacta preço dos fretes e insumos no agronegócio

O preço médio do diesel aumentou nos postos do país na segunda semana deste ano, depois de reajuste feito pela Petrobras, de acordo com o levantamento divulgado nesta sexta-feira (14) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O litro de diesel passou de R$ 5,344, em média, para R$ 5,422 em uma semana, um amento de 1,46%. O preço vinha caindo desde o dia 14 de dezembro.

A alta dos combustíveis aconteceu na mesma semana em que a Petrobrás anunciou reajustes. Na terça-feira (11), a estatal anunciou que os preços da gasolina e do diesel às distribuidoras seriam reajustados a partir de quarta-feira (12). Nos cálculos, o preço médio de venda do diesel vai subir de R$ 3,34 para R$ 3,61 por litro, alta de 8,08%. O último aumento às distribuidores foi anunciado em outubro do ano passado.

O diesel é um dos principais combustíveis utilizados por produtores rurais, seja na parte de funcionamento do maquinário nas propriedades, seja nas caminhonete e também usado pelos caminhoneiros na hora do escoamento da produção. Essa alta vai impactar diretamente os custos da agropecuária, é o que analisa Cristiano Palavro, consultor de mercado da Pátria Agronegócios e consultor técnico da Aprosoja em Goiás.

“O diesel é um insumo extremamente importante, toda a parte de operação com máquinas, é dependente, tem o uso do diesel, dentro dos cálculos dos custos de produção. Esse aumento vai ressaltar os impactos que a gente já está vendo esse ano nos custos de produção. Se a gente considerar um acumulado de 2021, deve chegar a pelo menos 40% de alta, também é mais um item que vai compor esses graves aumentos nos custos, especialmente para a safra 2022/2023.”

O que preocupa os produtores rurais, é que não dá pra diminuir o uso do insumo, já que existe a total dependência do diesel para os equipamentos funcionarem.

“Realmente o produtor pode investir em máquinas mais eficientes, trabalhar com máquinas bem reguladas pra evitar um consumo excessivo, porém é impossível diminuir o uso diante da necessidade de fazer operações com as máquinas”, pontua.

Além dos impactos dentro da porteira, os produtores rurais vão sentir o aumento também na hora de escoar a produção, o que vai refletir na diminuição do lucro.

“O diesel vai impactar diretamente os custos de transportes, seja dos insumos que chegam nas propriedades, os fretes de entrada, como fretes de saída dos produtos em direção aos armazéns, em direção às indústrias. Como a gente ainda usa muito o modal rodoviário, altamente dependente de diesel, a elevação desses fretes acaba impactando diretamente nos preços dos grãos, até porque os preços são formados de fora pra dentro, então você tem todo o custo de deslocamento desses grãos para o porto”, afirma.

Se impacta no começo da cadeia produtiva, dentro da porteira, a alta do diesel vai trazendo reflexos até chegar no consumidor final.

“Toda elevação de custos dentro da propriedade rural, seja pra grãos ou qualquer tipo de produto, ele também vai gerar uma pressão inflacionária, uma pressão de altas de preços, até porque se não for vantajoso ao produtor trabalhar com alguma cultura, em função dos seus altos custos, ele vai diminuir produção, vai diminuir investimento, a oferta vai cair e isso sem dúvida afetará os preços na ponta consumidora”, explica.

E para este ano, a previsão do consultor, é que toda essa alta de custos da agropecuária, fará com que o preço dos alimentos siga subindo.

“Apesar de um cenário de uma inflação caindo nesses últimos meses, ela ainda pelo lado dos alimentos deve sofrer pressão já que os custos de produção estão bastante elevados nesse ano e o preço dos combustíveis é um dos fatores que leva a esses custos”, finaliza Palavro.

Janaina Honorato
Janaina Honorato
Jornalista especialista em agronegócio com formação em marketing digital. Experiência de 9 anos com comunicação para o agronegócio em reportagens de TV, rádio, impresso e internet.
Nossas Redes Sociais
11,345FãsCurtir
23,198SeguidoresSeguir
Últimas
Postagens Relacionadas